11/02/2009

explicassaum

O atual eu lírico (disperso) narra experiências ao delimitar julgamentos: no nível de limpas analogias, amigas, crítica e resenha confundem-se para a performance: lá vai: material de estudo, abdicação, falta de recursos. Seja energético, aplicacional. Inesperados setores (como o da inspiração versus imaginação) estão diluindo raízes sintácticas fora do âmbito ecológico - devido à recusa da reciclagem radical. O perigo é que a formulação de tal renovação também precisa ser constantemente adaptada. Para seguir o ritmo das novidades humanas o quesito-estilo pressupõe processus cada vez mais ousado, jovem y dinâmico...
A desistência de tal façanha acarreta de forma decisiva em "zoocaso" - 3° livro da poesia conjunta do coletivo abacaxixiita. Ao contrário da arriscada verborragia do mano MaicknucleaR:


"Tão menos dolorosa
(MaicknucleaR)
…a filarmônica herege dos ídolos socados no rabo retumbou ecoando entre as paredes daquele pedaço particular de inferno…
Cena 1
Corta-picas filosófica (O arregaço) Vodka e xeque-mate. Volúpia drink’s & Vale da luxúria. Festinha em que satã vai à forra tende a acabar em merda!.
Cena 2
Templário das serenas ninfas (panteão do absurdo)
Mais uma vez ela
acordou só de"


Com seu doce valium starlight - seguindo a linha free style, alguns critérios são subjetivamente adotados no desfile de sentimentos 2009-2010, embora adversidades insistam em dizer a máfia será visto pelo maior número de closes (doçura terrível):


"Blue room
Autor: MaicknucleaR
Segurei-a pela mão e arrastei-a para fora daquele lugar onde nossas mentes tinham idéias turvas mescladas alucinogenamente às luzes de néon daquela grande avenida por onde carros, ônibus, motos e bicicletas corriam rápidos, para chegarem em um destino qualquer e encontrar enfim, a redenção encaçapando seus lindos rostinhos em murros com anúncios de..."


Assediada pela imprensa, Dolores Duchamp dá recado final aos curiosos:
.
__ Escolhemos a sorveteria para alegorizar modorra do poder, como o do 4°. O papel transformador dos meios de comunicação apenas "sova" burra filantropia - ainda presa às tendências retrô-global-warming. Diversidades religiosas corroboram no abstrakt hip-hop mais frio, já a quebra ambiental confere incendiária cristalidade ao centro de pesquisa do amadorismo sincrônico (biodiálise) contido no script (roteiro).
.
Sombras se dão por satisfeitas.
Pensar no próprio pensamento estético apura um senso fichinha - de se sentir. Logo que tenho uma sensação bouwa, estranho, procuro o céu e/ou chão responsável pela transferência - diz caridosa, a substituição de seres humanos por não-metonimizado meio ambiente.
.
a abacaxixiita volta aos palcos triunfante: modelos tiveram a brilhante permissão de escolha na inovação de liberdades: holofotes invadem o sono dos sabores: como chá de pera, Iron Butterfly dança valsa nos salões do inferno enquanto camareira morango-mor esfrega a passarela ao estilo furfles on the beach. Enyo pede a mão da Mulher-Bomba, esta que segura araponga ao invés da aliança: ao lado da fonte semisseca: 21h: cool:
.
__ Caiam fora do meu campo de visão, seus abutres!
.

.
.
.
.

5 comentários:

V.M.Paes disse...

Cara você é pirado, talentosíssimo mas pirado. explica denovo? hahahha
abratz.

Bruno disse...

amei o primeiro poema! Muito! AMei os idolos socados! Amei! Do caralho.
COmprei um óculos desse ai do Roy!

um cara legal... disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
um cara legal... disse...

esse óculos tá na moda, né?
(os poemas são do mano MaicknucleaR, eu tinha colocado um vídeo dele - lindo sonho delirante - mas ele tirou do ar, pra conhecer o blog desse cara, retorna à postagem e clica encima do nome dele...)
abração!!!

carbureto disse...

Obrigado pela visita,

Retribuo tua visita e mando uma das minhas músicas e clips favoritos de Roy Orbison de seu último álbum lançado em vida;

http://www.youtube.com/watch?v=OCj4uadbL4o

valeu
Mauro